Em Santa Catarina, IBER discute integração de tecnologias para impulsionar logística reversa no País

Integração de tecnologias para criar soluções inovadoras para a logística reversa. O Instituto Brasileiro de Energia Reciclável (IBER) e a Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) deram início a discussões para avaliar a possibilidade de unir forças para ampliar a logística reversa em território catarinense e desenvolver projetos com potencial para serem utilizados em todos os estados e setores. A parceria também descortinou a possibilidade de assinatura de um Termo de Compromisso entre o IBER e órgãos ambientais de Santa Catarina, com apoio da FIESC.

Em reunião no início deste ano com Albano Schmidt, presidente do Comitê Estratégico para Logística Reversa, e Fabiane Nóbrega Scalco, Engenheira Ambiental da área de Gerência de Assuntos de Transporte, Logística, Meio Ambiente e Sustentabilidade – GETMS da FIESC, foi promovida uma avaliação de como o IBER pode contribuir com melhorias e avanços no sistema de logística reversa em implantação no Estado.

Santa Catarina foi o precursor no uso do sistema de Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR) – já em vigor em Santa Catarina, Espírito Santo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e, possui um feedback extremamente positivo do uso do sistema. Avaliando as oportunidades ainda descobertas, como a importância da implantação nos demais Estados brasileiros e o potencial de controle da plataforma e modelo de gestão IBER, foi discutida a possibilidade de integração dos sistemas e potencialização da implantação do MTR, promovendo assim a gestão completa do processo de logística reversa.

“Os sistemas podem se complementar. O MTR é obrigatório para o transporte de resíduos e o IBER oferece a comprovação e diferenciação das empresas que estão atuando corretamente com relação à PNRS. Esse trabalho contribui decisivamente para o cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) em todo o Brasil. Se avançarmos na integração o resultado será uma plataforma mais completa, potencialização da comunicação entre os estados e capacidade para atender outros setores econômicos em todo o País”, explica a diretora executiva do IBER, Amanda Schneider. IBER e FIESC voltam a se reunir ainda no primeiro trimestre de 2020 para avançar com as discussões.

Comentários